Esfera pública, cultura política e democratização no Brasil pós-1988

  • Gabriel Henrique Burnatelli de Antonio

Resumo




O engendramento da experiência democrática no Brasil contemporâneo, sob a égide do repositório teórico-normativo do liberalismo democrático e suas florações teóricas mais recentes, suscita, em tese, a existência de uma esfera social na qual o desenvolvimento atitudinal de disposições racionais (orientadas a fins ou a valores) é dado como ínsito ao caldo de cultura que precede e/ou informa o evolver da participação política e o comportamento das instituições políticas do país. Partindo do suposto de que como parte (ainda que periférica) da modernidade capitalista oci- dental, a sociedade civil brasileira viria a superar o autoritarismo legado do regime militar por intermédio de suas agências de socialização política oriundas dos movi- mentos sociais de base (SADER, 2001; WEFFORT, 1985) ou, em sentido lato, da própria órbita do universo emergente dos interesses de classe (CARDOSO, 1988), a transição democrática no Brasil cumpriu, dos pontos de vista normativo e procedimental, o movimento descrito pelos países de democracia avançada, que adotaram como mé- todo democrático o pluralismo competitivo de extração schumpeteriana, o qual possui desdobramentos ulteriores no mainstream teórico-analítico da Ciência Política con- temporânea, condensado em torno da chamada rationa lchoice theory e sua ontologia que concebe a ação social como corolário de interações estratégicas de indivíduos ape- titivos que visam a maximização de suas preferências.




Publicado
05-07-2018
Como Citar
ANTONIO, Gabriel Henrique Burnatelli de. Esfera pública, cultura política e democratização no Brasil pós-1988. Revista Sociologia, Política e Cidadania, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 57-77, jul. 2018. ISSN 2595-3869. Disponível em: <http://ojs.funepe.edu.br/index.php/sociologia/article/view/38>. Acesso em: 13 ago. 2020.
Seção
Artigos